Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

duasmulheresemeia

Cuida de ti #embellezze

 

O outono esta aí, e nada melhor que aproveitar o melhor que os frutos cítricos tem para oferecer para cuidar de nós! A Embeleze tirou o melhor partido deles e chegou ao sérum que vai ajudar no controlo da oleosidade do nosso cabelo. Um ser um leve, cheiroso e poderoso que o nosso cabelo anda a amar. Porque com o final do verão os meus cabelos deixaram a rebeldia de lado e abraçaram a oleosidade com toda a força. E por isso, este novo produto não poderia ter vindo em melhor altura.

22359187_10203603382683134_1230868584_n.jpg

 

Diz Adeus a oleosidade e diz Olá ao outono! E porque esta época e propicia a constipações, toma atenção a tua saúde e tira benefícios dos frutos cítricos e repõe a tua vitamina C !

 

Cudgi & Nono <3

 

Desculpa...

Desculpa.

Desculpa mas eu não te amo. Não te amo pelo estatuto que tens, pelo carro ou pela conta bancária, muito menos ainda pelos likes e seguidores que somas nas redes sociais.

Desculpa não te amar pelas qualidades maravilhosas que tens. Desculpa não te amar pelo maravilhoso coração que transborda de amor, amizade e ajuda.

Desculpa se não te amo pelos valores que tens e que queres reinstaurar na sociedade.

Desculpa.

Peço-te desculpa por não me apaixonar pelo teu corpo musculado, sorriso estrelado e cabelo alinhado.

Desculpa mas não tenho culpa que o meu cérebro bloqueie e leve o meu coração a palpitar. Que no meu estomago floresça um jardim com borboletar a sirandar. Não tenho culpa que a quimica conspire a nosso favor. Que o magnetismo nos atraía. Não tenho culpa que a física e o universo conspiram a nosso favor.

Perdoa-me mas não tenho culpa que seja uma sociedade a assassinar este sentimento. Não tenho culpa que não queiras fazer respiração boca a boca a este amor.

Não tenho culpa!

Só tenho pena que tudo desvaneça por minha culpa! É minha culpa permitir que uma sociedade destrua este sentimento puro e genuíno.

Sou cumplice da sociedade!

Declaro-me culpada!

... desculpa.

 

Nono <3

 

Um dia

 

Um dia, serão apenas lembranças as vivências de agora.

Um dia, existirá apenas um vislumbre do passado que agora é presente.

Um dia, as tristezas e alegrias que ocorreram serão apenas recordações.

Um dia, o futuro será real e o passado não passará de meras lembranças que já pouco parecemos recordar.

Um dia, será necessário olhar com olhos de ver. Olhar e sentir o que até aqui passamos sem sentimento.

Um dia, saberemos mais do que agora e continuaremos confusos para decidir algo.

Um dia, seremos adultos, com alma de criança e aparência envelhecida, porque a vida não para.

Um dia, não dura para sempre e transformar-se-á em noite, e a noite passará a dia, num ciclo vicioso sem fim à vista.

Um dia, não existirá um novo dia a seguir e será o último.

Um dia, é apenas um dia se nada dele se fizer ou um dia pode ser uma vida se tudo nele se apostar.

Parar, olhar, ver

 

Parei e olhei a meu lado.

Olhei as pessoas que corriam atrapalhadas com os seus afazeres.

Olhei as crianças que brincavam na rua ao ar livre, sem preocupações ou aborrecimentos.

Olhei os velhos no jardim, observando flores, sentados a jogar cartas, com o descanso merecida de uma pessoa que já muito correu.

Olhei os animais que falavam entre si, na sua própria língua, com os seus próprios gestos, com os seus próprios afetos.

Olhei as flores que cresciam, umas lindas e altas, outras que não tiveram essa mesma oportunidade.

Parei e olhei a vida que corria.

Parei e olhei o relógio que não parava de contar o tempo.

Parei e olhei o mundo que não para porque me recuso a viver, que não sente a minha falta se eu fingir não existir.

Parei e olhei para depois decidir que pararei mais vezes, que vou apreciar mais, que vou correr mais para aproveitar tudo mas também vou parar e descansar para sentir mais.

Parei e olhei para perceber que tudo é tão lindo, tão calmo e ao mesmo tempo tão atrapalhado, tão sincero e por vezes tão oculto.

Parei e olhei e apenas senti que simplesmente tenho de aproveitar tudo, muito mais.

 

Cudgi :)</pp

Caminhada

Tracei um caminho que deveria ser uma auto estrada e que agora não passa de um pequena estranha remendada, onde não existem atalhos, onde as encruzilhadas são mais que muitas e a inversão de marcha á proibida.

Tracei um caminho onde existe um aviso de perigo de derrocada, que agora está obstruído e que, a qualquer momento, uma cratera no seu centro se pode formar.

Tracei um caminho onde só se dirige num só sentido e não encontro forma de poder estacionar para, simplesmente, descansar.

Tracei um caminho que agora já não faz sentido e que parece que ficará inacabado.

Tracei um caminho por onde já não quero passar, um caminho que já não me dá vontade de percorrer, um caminho que parece demasiado perigoso e incerto para mim.

Tracei um caminho que já não reconheço que me pertença, um caminho que já não reconheço como meu.

Tracei um caminho que não quero mais percorrer, mas que já me fez andar muito.

Tracei um caminho com vários atalhos, várias curvas, vários perigos.

Tracei um caminho que já não me leva para casa mas já me levou a muitos locais.

Tracei um caminho e agora vou traçar outro e daqui a tempos traçarei muitos mais pois caminhos são feitos para percorrer, porque parados não avançamos.

Tracei um caminho e traçarei muitos mais porque se fosse para parar deixava de pensar em caminhos, deixava de traçar qualquer novo itinerário, porque se fosse para parar teria traçado apenas um único objetivo, nunca mais caminhar.

Porque, traçar caminhos e deixar de os percorrer não é como se não tivesse objetivos definidos mas sim ter diferentes objetivos à medida que vamos avançando.

Porque crescemos ao longo da caminhada e não queremos sempre o mesmo, nem caminhamos sempre para o mesmo lado, o importante é nunca parar de caminhar.

Traçar diversos caminhos é ter sempre objetivos a cumprir.

 

Cudgi :)

 

 

A sociedade...

 

Estou farta. Sinto-me farta de rótulos, cargos e interesses...

Sinto-me farta de opiniões de pessoas que não possuem a capacidade de olharem para a sua própria vida criticam destrutivamente a vida dos outros. 

A sociedade impõe rótulos a tudo. A todos. Tudo tem um nome, tudo tem de ter um rótulo caso contrário nao é nada. 
A sociedade necessita de nomes, status, pódios e hierarquias. Não conseguem perceber que não temos de ser todos engenheiros e médicos. Não conseguem perceber o real valor das coisas. 
Limitam-se a colocar rótulos a letras grandes, porque em letras minúsculas nem se dariam ao trabalho de ler. 
Sinto-me farta de uma sociedade simplória, onde os maiores desafios que surgem é mesmo como sobreviver neste caos de rótulos infundados. 

 

 

<p

E agora? O que faço?

sem nome.png

 (imagem retirada da internet)

 

Anos e anos a estudar… Noites sem dormir, horas e horas em volta de livros, cadernos, computador, centenas e centenas de quilómetros percorridos, milhares de euros gastos, tempo investido. E agora, depois de todo o esforço, o que acontece? Dias, semanas ou até anos de procura, mais dinheiro gasto, horas empreendidas num emprego que não nos diz nada, que não nos acrescenta, que nos faz sentir inferiorizados, mas que aguentamos porque nos dá sustento, horas de questionamentos interiores, com perguntas que ficam sem resposta “Valeu a pena tanto esforço?”, “Valeu a pena tanto dinheiro gasto pelos pais?”, “Vale a pena, tudo isto?”.

Depois de uma licenciatura, vejo-me licenciada, com um curso superior na universidade e com um amargo no gosto por nada do que idealizei se realizar. Vejo-me crescida, mental e academicamente mas pequenina profissionalmente. Vejo-me com tantos sonhos e ideias que já não parecem fazer tato sentido. Vejo-me sem muitas opções e as que existem não parecem agradáveis. Vejo-me a continuar a lutar e tentar cumprir o caminho que idealizei, a lutar para cumprir mais alguns objetivos, a lutar para abrir novos caminhos, desbravar novos horizontes.

Na realidade, vejo-me frustrada e com vontade de desistir, lutando todos os dias para não dar por terminada toda a jornada, para que todo o percurso não parece em vão.

Depois de tantos anos vejo-me a fazer questões que se resumem a “E agora?”, “O que faço?”.

 

<

 

Cudgi :)

Bem-vindo à realidade atual...

(imagem retirada da Internet)

Fútil é a melhor definição e a melhor palavra para descrever a sociedade atualmente -sociedade fútil. Uma sociedade constituída por pessoas com valores e atitudes fúteis. Uma sociedade construida sobre princípios repugnáveis. 
Não me enquadro nesta sociedade. Não consigo reger pela futilidade. Não consigo colocar os meus interesses à frente de tudo e de todos. Existem limites! Deveria existir limites, mas esses a atual sociedade já os eliminou. 
Numa sociedade onde aparência é tudo, não se pode esperar nada. Ou melhor espera-se atitudes fúteis, egoístas e interesseiras, onde o "EU" está acima de tudo. Onde um "TU" ou "NÓS" não existe. 
 
 
Numa sociedade fútil é fácil sentirmos-nos sós entre a multidão. Eu sinto-me! 
 
 
Numa sociedade em que bens materiais e status é o objetivo de toda a gente. Amizade e amor são só degraus para o objetivo.
Ama-se quem convém. Namora-se com quem dá mais jeito. Conquista-se o dono do melhor carro e esquece-se do real valor do amor.
A amizade limita-se às redes sociais. Amigos de todo o mundo e ninguém do lado quando precisam.
O significado dos sentimentos mais belos estão alterados, tornaram valores ridiculamente estúpidos. Tornam os sentimentos banais e cargos como namorado e amigos em palavras inúteis ditas da boca para fora.
O Mundo está em mudança mas até que se perceba que o dinheiro não compra emoções, sentimentos a sociedade vai continuar a comprar estatutos , amigos, namorados,telemóveis ,carros e roupas em busca da real felicidade que nunca chegará pois essa é vivida off-line com os sentimentos a flor da pele junto daqueles que são verdadeiros e out-liers desta sociedade. 
 
 Nono <3

Esperança

 

 (Imagem retirada da internet)

 

A esperança de melhores dias me corrói a alma e devasta o meu coração.

A esperança de uma sociedade digna, sem preconceitos, sem estereótipos, onde cada um pode ser o sente que é.

A esperança numa só pessoa, para que aprenda, todos os dias, a ser um pouco melhor que no dia anterior.

A esperança no dia de amanhã, no sol que se abrirá radiante e que as nuvens sejam um enfeite secundário.

A esperança de crescer todos os dias, com diversas pessoas e vários acontecimentos.

A esperança de um mundo perfeito que só nas minhas mais profundas fantasias parece real.

Permanece em mim, todos os dias esperança. Esperança em mim, esperança no outro, esperança de poder fazer, esperança de que aconteça.

Vivo esperançosa numa vida digna, numa sociedade melhor.

Carrego a esperança de melhoria e a sensação de que a esperança não é a última a morrer, mas a única imortal.

 

Cudgi <3

Abecedário da vida de Carla Amélia Gomes

received_1859977810988970.jpeg

Sei, com certeza, o abecedário escolar, aquele que aprendemos na escola primária, começando no A e terminando no Z, apenas letras. Letras que podem ser iniciais de palavras, letras que usamos para escrever um texto, letras que não escritas também são necessárias para a fala, letras que conduzem a nossa língua.

“No abecedário da vida todas as letras entram no jogo da roleta, mas quando cada ser humano lança os seus dados, dita a sua própria sorte e apenas algumas letras são sorteadas”.

O “Abecedário da vida” mostra-nos que a nossa vida é feita de momentos, sentimentos e muitas palavras contraditórias.

O “Abecedário da vida” dá-nos conta de diversos momentos possíveis de imaginar, prováveis de acontecer e verdadeiramente vividos. Dá-nos a realidade da vida, dá-nos a sensação de muito conhecimento e um mundo tão pouco descoberto, dá-nos a realidade de uma vida e a ficção de muitas outras, dá-nos a sensação de sermos livres e ao mesmo tempo de estarmos presos.

“Efetivamente o abecedário da vida começa com um “A” de amor. Esse amor traz consigo o “A” de amizade, o “C” de compreensão, o “H” de honestidade, o “L” de lealdade, o “P” de paixão e o “U” de união”.

É um livro que nos conta/mostra a realidade de uma ou várias vidas, a realidade que muitos passam mas poucos falam e menos ainda o admitem. É um livro que nos mostra a vida como ela pode ser, com fases muito felizes, com momentos tristes, com histórias engraçadas e outras sem nenhum momento de risos, com boas e más recordações. Histórias que podem retratar a vida de muitas pessoas, histórias de vida reais, vividas por pessoas reais.

Mostra-nos palavras que amamos e queremos ouvir muitas vezes, palavras que odiamos e queremos esquecer, que fazem parte do nosso vocabulário, palavras que fazem sentido agora, que já alguma vez fizeram e que ainda nos farão.

Um livro que nos faz pensar, que nos incomoda por ser tão real, por tanto sentido fazer, que nos elucida e ao mesmo tempo nos faz querer esquecer.

Um livro que nos mostra que ninguém pode ser 100% perfeito, que não existe alguém 100% maravilhoso, que não existe alguém que possa ser tão bom que não tenha um pouco de maldade, nem alguém tão mau que não tenha alguma bondade.

“Mas o “M” de mágoa é destrutivo e só bastante mais tarde eles conseguiram libertar-se das algemas da mágoa e do rancor e abriram a sua alma ao perdão. Só mais tarde iriam experienciar nas suas vidas um acontecimento que os fez repensar emoções e sentimentos. Entediados com a aridez de um interior deserto e egoísta, descobriram que só o amor e o perdão permitem alcançar plenitude na existência”.

Não existe alguém tao feliz que não tenho medos, não existe alguém perfeito, ou com uma vida perfeita. Não existem histórias de encantar mas sim histórias reais, onde cada um se pode reencontrar.

Um livro para deixarmos os preconceitos, para nos mostrar a realidade, para nos fazer descobrir um pouco mais de cada uma. Um livro que nos mostra as letras do alfabeto, que nos faz compreender o abecedário, que nos faz interiorizar o verdadeiro sentido das palavras, das emoções. Um livro que nos leva ao verdadeiro ABECEDÁRIO DA VIDA.

 

 

Cudgi & Nono <3

 

 

<

Cudgi & Nono <3