Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

duasmulheresemeia

duasmulheresemeia

A sociedade e os Bombeiros Portugueses

923591.jpg

 

Carregam os bombeiros nas costas botijas de oxigénio, mochilas carregadas, mangueiras e agora, um peso enorme, que lhes foi atribuído, porque “não conseguiram cumprir o seu dever”.

Carregam os bombeiros palavras más, palavras que magoam, que fazem sofrer, abrir feridas que sangram até não existir mais sangue para escorrer, porque as pessoas acreditam e estão plenamente convictas que “muito mais poderia ter sido feito”.

Eu também acho que muito mais poderia ter sido feito. Todos os anos muito mais pode ser feito, muito mais pode ser pensado, muito mais pode ser investigado, muito mais pode ser cuidado. Mas eu não acho que a culpa seja de cada homem ou mulher que as chamas combate, que se coloca em frente ao inimigo. Eu não acho que o bombeiro deva carregar nas costas as palavras de desmerecimento, as palavras ruins que remetem para atos cruéis.

Eu compreendo (e na minha sincera humanidade, espero que mais pessoas também), que as falhas existem, que na mais recente tragédia que cobriu de negro todo o país, muitas coisas falharam, a prevenção (como vem acontecendo todos os anos), a rede nacional de emergência (algo que, infelizmente, também não é um caso isolado), a comunicação (profissionais e populares não tiveram uma comunicação muito clara), mas, no meu entender, os bombeiros que saíram de casa sem saber para onde iriam e se voltavam não fazem parte dessas falhas. Os soldados que combateram durante dias o inimigo estavam lá com o propósito de ajudar, de fazer o que pudessem para salvar o máximo que conseguissem, acho que se não o fizeram foi porque não puderam ou não foram informados de algo. Não acho que possamos pedir que alguém faça tudo se nem os informamos que devem fazer.

Partilho completamente o desespero da população, que viam as suas casas em riscos, o seu sustento, os seus pertences, a sua vida, que viam familiares e amigos caminharem para o incerto e, provavelmente, para a sua morte, mas não partilho das palavras ofensivas de que quem combatia pela restauração da paz e tranquilidade não fez mais porque não quês. Na minha opinião, eles não podem fazer mais do que conseguem, infelizmente, têm muita vontade de ajudar, de dar a sua vida, mas não consegue ser mais que um, não conseguem ser omnipresentes, não podem ajudar se nem do que se passa são informados.

Tenho todo o respeito e admiração pelos bombeiros, e acho, sinceramente, que eles são uns heróis, porque herói não é só quem consegue salvar tudo e todos, mas quem dá tudo o que tem e pode para o fazer. Infelizmente, muitas vezes isso não é possível.

Muito obrigado a todos os bombeiros. Os nossos mais sinceros sentimentos a todas as pessoas que perderam alguém. As melhoras para todos os que ainda se encontram feridos.

Portugal não esquecerá esta tragédia, e também não devemos esquecer que algo falhou e infelizmente não é a primeira vez. Quantas mais tragédias terão de acontecer para que as falhas deixem de acontecer? Quantas mais tragédias serão precisas para, quem de direito, fazer alguma coisa?

Portugal somos todos nós, mas não elegemos governantes apenas porque não precisamos de representantes em diversas reuniões, precisamos que realmente estejam atentos ao país. 

Abecedário da vida de Carla Amélia Gomes

received_1859977810988970.jpeg

Sei, com certeza, o abecedário escolar, aquele que aprendemos na escola primária, começando no A e terminando no Z, apenas letras. Letras que podem ser iniciais de palavras, letras que usamos para escrever um texto, letras que não escritas também são necessárias para a fala, letras que conduzem a nossa língua.

“No abecedário da vida todas as letras entram no jogo da roleta, mas quando cada ser humano lança os seus dados, dita a sua própria sorte e apenas algumas letras são sorteadas”.

O “Abecedário da vida” mostra-nos que a nossa vida é feita de momentos, sentimentos e muitas palavras contraditórias.

O “Abecedário da vida” dá-nos conta de diversos momentos possíveis de imaginar, prováveis de acontecer e verdadeiramente vividos. Dá-nos a realidade da vida, dá-nos a sensação de muito conhecimento e um mundo tão pouco descoberto, dá-nos a realidade de uma vida e a ficção de muitas outras, dá-nos a sensação de sermos livres e ao mesmo tempo de estarmos presos.

“Efetivamente o abecedário da vida começa com um “A” de amor. Esse amor traz consigo o “A” de amizade, o “C” de compreensão, o “H” de honestidade, o “L” de lealdade, o “P” de paixão e o “U” de união”.

É um livro que nos conta/mostra a realidade de uma ou várias vidas, a realidade que muitos passam mas poucos falam e menos ainda o admitem. É um livro que nos mostra a vida como ela pode ser, com fases muito felizes, com momentos tristes, com histórias engraçadas e outras sem nenhum momento de risos, com boas e más recordações. Histórias que podem retratar a vida de muitas pessoas, histórias de vida reais, vividas por pessoas reais.

Mostra-nos palavras que amamos e queremos ouvir muitas vezes, palavras que odiamos e queremos esquecer, que fazem parte do nosso vocabulário, palavras que fazem sentido agora, que já alguma vez fizeram e que ainda nos farão.

Um livro que nos faz pensar, que nos incomoda por ser tão real, por tanto sentido fazer, que nos elucida e ao mesmo tempo nos faz querer esquecer.

Um livro que nos mostra que ninguém pode ser 100% perfeito, que não existe alguém 100% maravilhoso, que não existe alguém que possa ser tão bom que não tenha um pouco de maldade, nem alguém tão mau que não tenha alguma bondade.

“Mas o “M” de mágoa é destrutivo e só bastante mais tarde eles conseguiram libertar-se das algemas da mágoa e do rancor e abriram a sua alma ao perdão. Só mais tarde iriam experienciar nas suas vidas um acontecimento que os fez repensar emoções e sentimentos. Entediados com a aridez de um interior deserto e egoísta, descobriram que só o amor e o perdão permitem alcançar plenitude na existência”.

Não existe alguém tao feliz que não tenho medos, não existe alguém perfeito, ou com uma vida perfeita. Não existem histórias de encantar mas sim histórias reais, onde cada um se pode reencontrar.

Um livro para deixarmos os preconceitos, para nos mostrar a realidade, para nos fazer descobrir um pouco mais de cada uma. Um livro que nos mostra as letras do alfabeto, que nos faz compreender o abecedário, que nos faz interiorizar o verdadeiro sentido das palavras, das emoções. Um livro que nos leva ao verdadeiro ABECEDÁRIO DA VIDA.

 

 

Cudgi & Nono <3

 

 

<

Cudgi & Nono <3

#13 verdades sobre a vida

 

#1 Não vale a pena chorar pelo leite derramado. 

Afinal de contas ele já está derramado, agora é só seguir em frente.

#2 Saboreia os pequenos momentos.

Vive todos os momentos intensamente e saboreia cada um. Porque é nas pequenas coisas que está o mais importante.

#3 O melhor da vida acontece em off-line.

Numa era tecnológica parece que por vezes nos esquecemos da vida real, longe das redes sociais. Lembra-te a vida é para viver!

#4 Corre atrás dos teus sonhos, pois mais ninguém o vai fazer. 

Vai sempre atrás do que queres porque mais ninguém o vai fazer. Tens de ser tu a ir à luta. 

#5 Se não és feliz sozinho, nunca conseguiras ser feliz num relacionamento.

A felicidade está dentro de nós. Não podemos achar que ela vem com alguém. 

#6 A vida necessita ter altos e baixos.

Só assim somos capazes de dar valor as coisas, de outra forma tomamos tudo como garantido. 

#7 Vamos ser sempre imperfeitos.

A imperfeição é uma característica nossa! Há que saber aceita-la. 

#8 Não esperes nada dos outros. 

Conta contigo! 

#9 Os grandes sucessos são precedidos pelos fracassos.

Até se acertar, erra-se. É com os erros que aprendemos!

#10 Tudo o que te acontece é o tu atrais-te.

Atraímos tudo, por isso atrai coisas boas que elas irão acontecer. 

#11 Sem esforço você nunca chegará ao sucesso. 

O esforço precede sempre o sucesso. É com persistência que se chega lá.

#12 Só sei que nada sei. 

Porque nunca ninguém será sabedor de tudo!

#13 O amanhã pode não chegar. 
Arrisca hoje. Faz hoje. Pergunta hoje. Amanha pode ser tarde demais, não adies conversas. Não adies "obrigadas". Podes não ter tempo. 

 

<

Cudgi & Nono <3

Existem dois tipos de pessoas...

No verão conhecemos mais dois tipos de pessoas. 

praia ou piscinia.JPG

(imagem retirada da internet)


As pessoas que adoram a praia e as pessoas que adoram a piscina!!! 

Pronto vá lá existe quem não goste de nenhuma e quem adore as duas, mas em geral as pessoas preferem sempre uma!

 

Eu cá prefiro a piscina e vocês?  

Nono <3

 

Não gosto de mim

kaatje4.jpg

 

Não gosto da cor dos meus olhos.

Não gosto do formato da minha boca.

Não gosto do tamanho do meu nariz e das minhas orelhas.

Não gosto das marcas do meu rosto.

Não gosto das minhas pernas, nem das minhas mãos.

Não gosto de me ver ao espelho e ver todas as imperfeições que tenho em mim.

Não gosto do sorriso no meu rosto que quer eu esteja triste ou não ele não desaparece.

Não gosto da forma como o meu corpo me denuncia, porque sou péssima a esconder expressões.

Não gosto de mim!

Mas...

Gosto da forma com o meu olhar é legível.

Gosto da educação que recebi, que fez criar a personalidade que tenho.

Gosto da minha forma de reagir às situações, porque não me deixar ser mentirosa ou agir com falsidade.

Gosto do que aprendi e aprendo a cada dia porque me fazem ser sempre melhor.

Gosto de passar tempo com amigos e com a minha família.

Gosto quando me dizem que gostam muito de mim.

Gosto da forma como faço as pessoas rir com muitas piadas sem graça.

 

Na realidade, não gosto de olhar no espelho superficialmente e ver refletido o meu exterior, mas gosto muito de olhar no espelho e ver a completa pessoa que sou.

Não é o meu exterior que me fará ter mais ou menos verdadeiros amigos, não é o meu exterior que me fará ser mais amada pelas pessoas que são importantes para mim, não é o meu exterior que decide a pessoa que realmente sou.

Não se pode mudar o exterior, posso aprender a viver com ele, mas não conseguiria aprender a viver com um interior que não me corresponde, não me acomodaria com um interior que não me fizesse realizar o que quero.

Posso ser esteticamente imperfeita, mas vivo perfeitamente com a minha personalidade e com a pessoa que se forma a cada dia.

Eu não poderia mudar o que não gosto, porque foi através de todas as imperfeições e criticas que me fui formando e criando a pessoa que sou.

Na realidade, não gosto do meu exterior, mas sou muito agradecida pelo meu interior.

 

Na verdade... Eu até gosto de mim!

60602_443728645704527_45652686_n_large.jpg

 

 <