Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

duasmulheresemeia

Um mundo desigual, onde a igualdade deveria ser ordem

racismo.jpg

 

Encontro, em cada canto, em cada momento, em cada lugar, alguma desigualdade, por vezes, algo que já não faz sentido, outras vezes algo que até parece ridículo ainda existir, outras vezes algo que "não faz muita diferença" para grande parte das pessoas.

Vejo, no nosso país, uma desigualdade descomunal no que aos salários diz respeito, vejo as pessoas a receberem o salário mínimo (porque, felizmente, a lei não permite que menos recebam. Porque não seria admirável nem isso receberem se a tal não estivessem os patrões obrigados) e terem de trabalhar horas e horas a fio, muitas vezes sem receberem horas extra, porque a entidade patronal assim o exige e estas sujeitam-se porque "não posso ficar sem este emprego. Depois para onde vou?".

Vejo os jovens a sujeitarem-se às mais precárias condições de trabalho, porque "Preciso de começar a ganhar dinheiro, além disso, isto foi uma sorte, ninguém dá trabalho a quem não tem experiência", e caso pensem sequer em dizer que as condições não são nada adequadas ou compatíveis com o cargo, recebem uma grande resposta por parte de quem contrata "Isto é o que há. Está difícil para nós também, mas se não quer tenho muitos mais que querem. E se oferece-se menos também tinha quem quisesse" (infelizmente, têm razão).

Vejo as escolas com menos condições porque não têm crianças cujos pais têm uma grande condição financeira e como tal, parece que não precisam de ter as mesmas oportunidades que estes, parecem menos pessoas porque a conta bancária não atinge um número considerado aceitável para um serviço de qualidade.

Vejo as pessoas não terem os mesmos recursos, na saúde, na justiça, na educação, porque não têm dinheiro e "Um bom serviço, tem de ser pago". Um bom serviço deveria ser um direito de todos os cidadão, de todos os que contribuem para que o estado possa apresentar bons resultados, para que o estado consigo "governar" o nosso país.

Vejo as mulheres continuarem a ter menos direitos só porque "Isto já é assim há muito tempo, porque é que se vai estar agora a mudar?", porque os tempos mudam, porque as mulheres deveriam ter tanto poder como os homens, porque ninguém é mais ou menos do que ninguém.

Vejo a forma diferente como as pessoas de diferente género, de diferente orientação sexual são tratadas, só porque "Isto não é normal. Têm alguma doença. Precisam é de serem tratados". Quem precisa de ser tratado é o autor de tal comentário para com alguém que não se enquadra no que se diz "normal" na sociedade, a normalidade só assim é chamada porque a maioria das pessoas assim foi educada, porque não querem aceitar que não existe um "padrão normal"

Vejo a forma como as pessoas de diferente cor são mal tratadas, injuriadas, só porque "Esta gente não é daqui, veio para cá fazer o quê? Volta mais é para a tua terra". Nós também não nos concentramos apenas no nosso país, porque temos de tratar mal quem procurou melhores condições e veio ter ao nosso cantinho? Não somos o único povo no mundo, não somos a única cor, não somos os "normais", porque existe diferença, mas não deveria existir preconceito.

Vejo a desigualdade espalhada por todo o país, por todo mundo, vejo as crianças a crescerem com o estigma de que a desigualdade é uma constante e não vejo a educação destas crianças a ensinar o contrário. A desigualdade existe, mas não deveríamos ser nós a lutar para que acabasse? Afinal não deveríamos ser todos iguais? Não deveríamos procurar pela igualdade em vez de dar cada vez mais poder à desigualdade?

Mas a questão que muitas vezes colocamos, vale a pena lutar? Vale a pena ir contra algo que já tão enraizado está neste mundo?

Para mim, a resposta é apenas uma, que resume várias: Desistir é que não vale mesmo de nada! De nada serve e de nada nos adianta.

5-ESTR~1.JPG

 

 

Cudgi  <3

Booking.com

16 comentários

Fala-me...