Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

duasmulheresemeia

Abecedário da vida de Carla Amélia Gomes

received_1859977810988970.jpeg

Sei, com certeza, o abecedário escolar, aquele que aprendemos na escola primária, começando no A e terminando no Z, apenas letras. Letras que podem ser iniciais de palavras, letras que usamos para escrever um texto, letras que não escritas também são necessárias para a fala, letras que conduzem a nossa língua.

“No abecedário da vida todas as letras entram no jogo da roleta, mas quando cada ser humano lança os seus dados, dita a sua própria sorte e apenas algumas letras são sorteadas”.

O “Abecedário da vida” mostra-nos que a nossa vida é feita de momentos, sentimentos e muitas palavras contraditórias.

O “Abecedário da vida” dá-nos conta de diversos momentos possíveis de imaginar, prováveis de acontecer e verdadeiramente vividos. Dá-nos a realidade da vida, dá-nos a sensação de muito conhecimento e um mundo tão pouco descoberto, dá-nos a realidade de uma vida e a ficção de muitas outras, dá-nos a sensação de sermos livres e ao mesmo tempo de estarmos presos.

“Efetivamente o abecedário da vida começa com um “A” de amor. Esse amor traz consigo o “A” de amizade, o “C” de compreensão, o “H” de honestidade, o “L” de lealdade, o “P” de paixão e o “U” de união”.

É um livro que nos conta/mostra a realidade de uma ou várias vidas, a realidade que muitos passam mas poucos falam e menos ainda o admitem. É um livro que nos mostra a vida como ela pode ser, com fases muito felizes, com momentos tristes, com histórias engraçadas e outras sem nenhum momento de risos, com boas e más recordações. Histórias que podem retratar a vida de muitas pessoas, histórias de vida reais, vividas por pessoas reais.

Mostra-nos palavras que amamos e queremos ouvir muitas vezes, palavras que odiamos e queremos esquecer, que fazem parte do nosso vocabulário, palavras que fazem sentido agora, que já alguma vez fizeram e que ainda nos farão.

Um livro que nos faz pensar, que nos incomoda por ser tão real, por tanto sentido fazer, que nos elucida e ao mesmo tempo nos faz querer esquecer.

Um livro que nos mostra que ninguém pode ser 100% perfeito, que não existe alguém 100% maravilhoso, que não existe alguém que possa ser tão bom que não tenha um pouco de maldade, nem alguém tão mau que não tenha alguma bondade.

“Mas o “M” de mágoa é destrutivo e só bastante mais tarde eles conseguiram libertar-se das algemas da mágoa e do rancor e abriram a sua alma ao perdão. Só mais tarde iriam experienciar nas suas vidas um acontecimento que os fez repensar emoções e sentimentos. Entediados com a aridez de um interior deserto e egoísta, descobriram que só o amor e o perdão permitem alcançar plenitude na existência”.

Não existe alguém tao feliz que não tenho medos, não existe alguém perfeito, ou com uma vida perfeita. Não existem histórias de encantar mas sim histórias reais, onde cada um se pode reencontrar.

Um livro para deixarmos os preconceitos, para nos mostrar a realidade, para nos fazer descobrir um pouco mais de cada uma. Um livro que nos mostra as letras do alfabeto, que nos faz compreender o abecedário, que nos faz interiorizar o verdadeiro sentido das palavras, das emoções. Um livro que nos leva ao verdadeiro ABECEDÁRIO DA VIDA.

 

 

Cudgi & Nono <3

 

 

<

Cudgi & Nono <3

Booking.com

#13 verdades sobre a vida

 

#1 Não vale a pena chorar pelo leite derramado. 

Afinal de contas ele já está derramado, agora é só seguir em frente.

#2 Saboreia os pequenos momentos.

Vive todos os momentos intensamente e saboreia cada um. Porque é nas pequenas coisas que está o mais importante.

#3 O melhor da vida acontece em off-line.

Numa era tecnológica parece que por vezes nos esquecemos da vida real, longe das redes sociais. Lembra-te a vida é para viver!

#4 Corre atrás dos teus sonhos, pois mais ninguém o vai fazer. 

Vai sempre atrás do que queres porque mais ninguém o vai fazer. Tens de ser tu a ir à luta. 

#5 Se não és feliz sozinho, nunca conseguiras ser feliz num relacionamento.

A felicidade está dentro de nós. Não podemos achar que ela vem com alguém. 

#6 A vida necessita ter altos e baixos.

Só assim somos capazes de dar valor as coisas, de outra forma tomamos tudo como garantido. 

#7 Vamos ser sempre imperfeitos.

A imperfeição é uma característica nossa! Há que saber aceita-la. 

#8 Não esperes nada dos outros. 

Conta contigo! 

#9 Os grandes sucessos são precedidos pelos fracassos.

Até se acertar, erra-se. É com os erros que aprendemos!

#10 Tudo o que te acontece é o tu atrais-te.

Atraímos tudo, por isso atrai coisas boas que elas irão acontecer. 

#11 Sem esforço você nunca chegará ao sucesso. 

O esforço precede sempre o sucesso. É com persistência que se chega lá.

#12 Só sei que nada sei. 

Porque nunca ninguém será sabedor de tudo!

#13 O amanhã pode não chegar. 
Arrisca hoje. Faz hoje. Pergunta hoje. Amanha pode ser tarde demais, não adies conversas. Não adies "obrigadas". Podes não ter tempo. 

 

Cudgi & Nono <3

Booking.com

Existem dois tipos de pessoas...

No verão conhecemos mais dois tipos de pessoas. 

praia ou piscinia.JPG

(imagem retirada da internet)


As pessoas que adoram a praia e as pessoas que adoram a piscina!!! 

Pronto vá lá existe quem não goste de nenhuma e quem adore as duas, mas em geral as pessoas preferem sempre uma!

 

Eu cá prefiro a piscina e vocês?  

Nono <3

 

Booking.com

Eu sou do tempo... #15

Quem se lembra desta música? 
É tão mas tão do meu tempo!!!! 


Nono <3 

Booking.com

Não gosto de mim

kaatje4.jpg

 

Não gosto da cor dos meus olhos.

Não gosto do formato da minha boca.

Não gosto do tamanho do meu nariz e das minhas orelhas.

Não gosto das marcas do meu rosto.

Não gosto das minhas pernas, nem das minhas mãos.

Não gosto de me ver ao espelho e ver todas as imperfeições que tenho em mim.

Não gosto do sorriso no meu rosto que quer eu esteja triste ou não ele não desaparece.

Não gosto da forma como o meu corpo me denuncia, porque sou péssima a esconder expressões.

Não gosto de mim!

Mas...

Gosto da forma com o meu olhar é legível.

Gosto da educação que recebi, que fez criar a personalidade que tenho.

Gosto da minha forma de reagir às situações, porque não me deixar ser mentirosa ou agir com falsidade.

Gosto do que aprendi e aprendo a cada dia porque me fazem ser sempre melhor.

Gosto de passar tempo com amigos e com a minha família.

Gosto quando me dizem que gostam muito de mim.

Gosto da forma como faço as pessoas rir com muitas piadas sem graça.

 

Na realidade, não gosto de olhar no espelho superficialmente e ver refletido o meu exterior, mas gosto muito de olhar no espelho e ver a completa pessoa que sou.

Não é o meu exterior que me fará ter mais ou menos verdadeiros amigos, não é o meu exterior que me fará ser mais amada pelas pessoas que são importantes para mim, não é o meu exterior que decide a pessoa que realmente sou.

Não se pode mudar o exterior, posso aprender a viver com ele, mas não conseguiria aprender a viver com um interior que não me corresponde, não me acomodaria com um interior que não me fizesse realizar o que quero.

Posso ser esteticamente imperfeita, mas vivo perfeitamente com a minha personalidade e com a pessoa que se forma a cada dia.

Eu não poderia mudar o que não gosto, porque foi através de todas as imperfeições e criticas que me fui formando e criando a pessoa que sou.

Na realidade, não gosto do meu exterior, mas sou muito agradecida pelo meu interior.

 

Na verdade... Eu até gosto de mim!

60602_443728645704527_45652686_n_large.jpg

 

 

Cudgi <3

Booking.com

Amarras da desilusão

Nunca fui uma menina de muitos sonhos. Nunca fui pessoa de muitos desejos.

Acho que nunca quis tanto uma coisa a ponto de fazer mil e uma coisas (trinta por uma linha) para a conseguir.

Falta de ambição? Falta de personalidade? Apenas confusão? Ou vida facilitada?

Faço a minha vida e a minha jornada em pequenas metas. Pequenas metas que me ajudam a conseguir o objetivo final, na intenção de não esperar demais e não conseguir fazê-lo.

Não tenho um grande sonho ou um grande desejo que sei que farei de tudo para o conseguir, não defino um enorme sonho como objetivo final. Por quê?

Porque tenho medo da desilusão.

Fugo o mais rápido que posso e para o mais longe que consigo da desilusão.

Não crio grandes expetativas e não coloco todas as fichas em determinado objetivo porque tenho mais medo da desilusão do que demorar cinco vezes mais para conseguir realizar tal objetivo.

Defino pequenas metas que muitas vezes demoram muito tempo a ser realizadas, que muitas vezes têm mais altos e baixos que as ondas do mar e fazem mais curvas que alguém a contornar pequenos cones. Defino pequenas metas que me parecem levar ao grande objetivo, metas que me parecem realizáveis, que me parecem possíveis. Defino pequenas metas que, por vezes, não me fazem conseguir o objetivo final, mas não me deixam profundamente desiludida, porque nunca lhe coloquei muitas expetativas, forças e esperanças. Defino pequenas metas que me deixam feliz ao serem realizadas e que não me fazem tremer ou chorar por não conseguir concretiza-las.

Alguns dizem que é falta de sonhos. Outros que não sou uma pessoa determinada. Outros ainda afirmam que não sou forte o suficiente para “correr” atrás de algo.

Talvez todos estejam certos e eu seja uma pessoa sem ambição que ainda não sabe sequer o que quer da vida, ou talvez eu seja apenas uma pessoa que não quer criar expetativas e sair destruída de um mundo onde nem tudo é conquistável e pequenas conquistas para mim também têm grande valor.

Eu também sou feliz com a realização das pequenas metas, eu também me realizo quando alcanço um pequeno sonho, mesmo que parece muito realizável, eu também realizo grandes objetivos, só não dou “o corpo às balas” todas as vezes que quero fazer.

Eu sou apenas uma pessoa normal, que tem medo de se “atirar de cabeça” a um grande sonho e cair desamparada por não ter conseguido o que tanto queria.

Eu sou apenas uma refém da desilusão, que não se permite fazer mais porque esta sussurra sempre no meu ouvido que está mais próxima do que parece.

 

imagesCAHRVF5E.jpg

 

Cudgi <3

Booking.com

#13 detalhes que me fazem feliz

 

tumblr_mf93qh3S0c1qk62mfo1_500.jpg

#1 Uma mensagem de "Bom dia! "
#2 Conversar sobre tudo e sobre nada com um amigo. 

#3 Ver a chuva cair através do vidro (é tão bom!).

#4 Colocar alguém a sorrir.

#5Ligar o rádio e estar a dar aquela música que não ouvia à anos. 

#6 Conduzir e cantar e dançar com uma amiga. 

#7 Receber uma carta (de alguém querido  e escrita à mão!). 

#8 Dançar à chuva.

#9 Visitar novos locais.

#10 Coincidências. 

#11 Chorar de tanto rir. 

#12 Rever fotos antigas. 

#13 Reparar que é das pequenas coisas que vem a real felicidade. 

<

 

Booking.com

Já o povo dizia!

 
“Quem tudo quer… sempre apanha alguma coisa.” - arrisca-se a perder e ai opta por outra frase muito conhecida "tudo que vem à rede é peixe" 
 
“Os últimos são sempre… os que perdem.” - tem lógica perdendo ficam em ultimo! tem lógica! 
 
“Quem não arrisca… não fica sem nada.”- Ou seja petisca sempre! Vamos arriscar, porque se não der certo ao menos aprendemos algo! 
 
“A noite é boa… para dormir.” - e eu a pensar que era para pensar! andei enganada! 
 
E vocês, conheciam estas verdades populares?

quer-pouco-teras-tudo-quer-nada-seras-livre.jpg

Nono <3

 

 
 
 
 
Booking.com

Futuro no passado

mensagens-sobre-o-futuro-1.jpg

Com 20 e poucos anos, as minhas projeções de futuro estão um pouco no passado. Desapareceu a ingenuidade do “tudo é possível”, talvez pelos sucessivos entraves a tal acontecimento.

Acho que nesta idade ainda poderia acreditar que tudo é possível, que basta força de vontade, luta, persistência e muito amor pelo que se quer, além de trabalho, claro, para conseguir ser e ter tudo aquilo que quero. Deveria ter o pensamento de que tudo é possível, que nada nos é dado sem esforço mas, na realidade, nada é impossível, se é mesmo o que queremos, basta acreditar.

Deveria ter uma visão de um brilhante futuro, pensar que, agora, é que poderei começar a minha vida, agora é que poderei ser o que sempre quis, agora é que tenho de lutar com todo o poder que tenho para alcançar o que sempre quis. Mas a única coisa que consigo visualizar no momento, é que o futuro não parece nada brilhante, é que o que sempre quis talvez não seja aquilo que conseguirei, que depois de tanto esforço a caminhada parece levar-me ao mesmo local inicial.

Depois de terminar um ciclo na vida, depois de cumprir um sonho, deveria ter a caixa de sonhos cada vez mais cheia, mas já comecei a desfazer alguns, já não tenho a sensação de que “conseguirei tudo o que quero”, já não acredito tanto na frase “Vais conseguir”, já não fazem sentido as frases de incentivo “Basta acreditar e tudo será possível”, “Trabalho e persistência, vão levar-te onde queres”, “Podes fazer de ti aquilo que quiseres”, com 20 e poucos anos, já não acredito em todas estas “verdades”.

Já não acredito que o trabalho, a persistência, o talento, o acreditar, me colocarão aonde quero estar, me levarão para onde sempre quis ir, já não acredito que “É possível basta acreditar”. Com a minha idade e depois de um grande sonho cumprido, a lutar por realizar muitos mais e cada vez maiores, as derrotas custam ainda mais, o objetivo final parece cada vez mais longe e, possivelmente, alguns sonhos terei de abandonar definitivamente.

Mas, afinal, a vida não é isso mesmo? Não se trata de fazer opções? De crescer com o que se vai aprendendo? Não perder a vontade de continuar a lutar mas perceber que existem mesmo impossíveis?

Cada vez mais percebo que nem todos os meus sonhos são possíveis de realizar, por mais que eu trabalhe, por mais que eu lute, por mais que eu insista. NÃO! Não é possível concretizar todos os sonhos e muitos ficarão pelo caminho, alguns depois de tentar muitas vezes, outros apenas depois de avaliar novamente e até nem tentar, são opções. São fases de crescimento.

Por isso, com 20 e poucos anos deixei de acreditar que o meu futuro será perfeito e será o que sempre imaginei. Não será, pode ser melhor ou pior. Talvez tenha demorado demasiado para perceber isso ou talvez pudesse ter sonhado mais um pouco, mas algum dia iria perceber, certo?

 

Cudgi <3

Booking.com

Liberdade da atualidade

Militares com cravos nas espingardas no dia 25 de  

Hoje é 25 de Abril, por nós conhecido como Dia da Liberdade ou Revolução dos cravos.

Para chegarmos onde estamos, muito se fez e muito mudou, a partir do grande feito de 25 de Abril de 1974. Até 25 de Abril de 1974 vivia-se a Ditadura, o medo estava instalado em todo os locais, em qualquer pessoa, a revolta era apenas interior e os pensamentos contraditórios à situação real, normalmente, eram apenas isso mesmo, pensamentos.

Temos alguns pontos diferentes, de antes e depois do 25 de Abril que podemos facilmente identificar:

  • Existia, antes do 25 de Abril, a guerra colonial, que obrigava todos os portugueses a combater e quem se recusa-se, a única solução era fugir. Atualmente, a guerra é com os governantes e leis deste país e, por vezes, também apetece fugir.
  • Não existia liberdade de expressão, nem de associação. Atualmente, falta um pouco de filtro em muitas expressões de opinião, em compensação associamo-nos a muita coisa que nem sabemos o que é.
  • Existiam presos políticos. Atualmente, existem muitos polítcos soltos que deveriam era estar presos.
  • Não existia o direito a eleger os governantes do país, as eleições era algo longuínquo. Atualmente, pedem quase por favor, para que não deixemos de votar.
  • Não existia um sistema de saúde, educação nem reformas. Atualmente, a saúde e a educação não são as melhores mas vão indo, as reformas é que já nos parece um caso um pouco mais complicado.
  • Existia tortura para quem desobedece-se às leis. Atualmente algumas leis, por si só, já nos torturam o suficiente.
  • Não se dizia mal dos governos nem seus responsáveis. Atualmente, diz-se mal dos responsáveis, dos governos, dos amigos e inimigos.

Para que existiu o 25 de Abril?

Para podermos fazer tudo isto. Para podermos escolher, se vamos ou não votar, se queremos ou não dar a nossa opinião (seja ela qual for), para falarmos bem ou mal dos governos, para podermos simplesmente ter o direito a pensar por nós, a conhecer mais, para termos direito a melhores condições, para podermos protestar e não nos acomodar-mos com o que nos dão. Para podermos simplesmente ser livres.

No entanto, acho que alguns desses valores se foram perdendo ao longo destes 43 anos. Estaremos a precisar de outra revolução? Com os mesmos principios, com a mesma calma, para melhores resultados do que os atuais (mas arranjaremos outra flor para a ocasião).

Muito obrigado a todos os que lutaram, a todos os que sairam às ruas, a todos os que participaram, direta ou indiretamente, nesta revolução, porque graças a essa luta, hoje festejamos a Liberdade. 

25_Abril_900.jpg

 

Cudgi <3

 

 

 

 

Booking.com